Como NÃO orar

Como Perdoar – Parte Final

8. Perdoar não é esquecer a justiça.

Você pode perdoar uma pessoa e chamar a polícia e vê-La sendo presa. Você pode perdoar uma pessoa e testemunhar contra ela em um tribunal. Romanos 13 diz que devemos obedecer o governo. A pessoa pode dizer “Eu pensei que você tinha me perdoado” e você diz “Sem, eu perdoei, mas você cometeu um crime, você violou as leis e para isso existem conseqüências”. Se a pessoa roubou, ela tem que pagar por isso. Se ela mentiu, ela tem que pagar por isso e dizer a verdade. Perdoar não é esquecer a justiça, você pode perdoar e mesmo assim querer a justiça.

9. Perdoar não é confiar.

Uma vez eu ouvi. “Meu pai me molestou no passado. Depois de um tempo ele me pediu perdão. Será que posso permitir que ele tome conta dos meus filhos?” Minha resposta? De jeito nenhum!. Ou então: “Meu namorado ou esposo me bateu, mas ele pediu desculpas. Devemos seguir em frente de onde paramos como se nada tivesse acontecido?” Veja bem, a confiança é construída lentamente, mas é destruída de uma vez só, vá com calma!
Falando dessa forma acredito que alguns de vocês devem ter ficado assustados, deixe eu me explicar, alguns de vocês são ingênuos e acreditam que tudo pode se resolver num passe de mágicas, mas a confiança deve ser conquistada lentamente. Algumas pessoas ao darem seu coração de uma vez só em um relacionamento, se feriram que nunca mais conseguiram se reestruturar. Por isso, se alguém peca contra você, vá com calma e aos poucos reconstrua o relacionamento para que você não venha se ferir gravemente. Pois algumas pessoas podem parecer muito confiantes em um momento quando precisam de alguma coisa e no momento depois a máscara já cai. Já outras pessoas não devem nunca receber confiança, pois o risco que se corre ao confiar é muito alto. E isso é claramente real quando se envolve crianças que são tão vulneráveis. Ou seja, precisamos ser extremamente cautelosos com quem vamos confiar.

10. Perdoar não é reconciliar.

Perdoar não significa que no momento seguinte vocês já voltam a ser amigos e por isso está tudo bem! Tudo acabou e já está normal. De jeito nenhum! Para isso acontecer é necessário que uma pessoa se arrependa, que a outra perdoe e que as duas decidam se reconciliar. É por isso que Paulo diz “Na medida que é possível pra você, tente viver em paz com todos os homens”. Veja o que ele está dizendo: faça o seu melhor, mas pode ser que você não consiga estar em paz com todos. Se isso acontecer, de você não conseguir, não se sinta mal.
Tenho uma amiga que nesse momento está no meio de um divórcio, pois viu que seu marido é de fato o problema e ela disse a ele “Eu te amo, eu perdôo você. Se você foi comigo ao aconselhamento, se você se submeter a ir a igreja eu vou estender a mão pra você e então poderemos nos reconciliar e salvar nosso casamento” mas ele disse “Não, eu não acho que fiz alguma coisa de errado. Eu não acho que devo ouvir o que o pastor diz, eu não preciso ir a um aconselhamento, eu não preciso ouvir ninguém, a culpa é sua”. Nesse caso não cai ocorrer uma reconciliação, não com homem cabeça dura desse jeito. Arrependimento precisa de uma pessoa, perdão precisa de uma pessoa, mas para a reconciliação, é necessário duas pessoas!

Perdão e Justiça

Agora, assim como eu, alguns de vocês ter um enorme senso de justiça. Vão dizer: “Mas se e perdoar a pessoa, cadê a justiça?” A justiça vem, vem principalmente de Jesus. Devemos ter fé em Cristo, e termos nossa justiça na Cruz, onde Jesus sofreu em nosso lugar e derramou Seu sangue pelos nossos pecados, por que Deus sabe que nós também ferimos pessoas as vezes, ou se permanecermos longe dessa verdade nossos pecados também não serão perdoados.
A pessoa que te magoou, pecou contra você e contra Deus, e a partir do momento que você perdoa você está levando esta pessoa para mais perto de Jesus. E se mesmo assim, a pessoa continua num estado que acha que não precisa se arrepender e não precisa ir até Jesus, não importa, no final ela estará diante de Jesus. E ela será julgada e sentenciada a eterna e consciente vida de tormentos no inferno para pagar sua dívida por ter negado a Deus.
Ou seja, ao perdoar alguém nós não estamos negligenciando a justiça. Nós estamos deixando nas mãos do perfeito juiz que a perfeita justiça seja decretada, seja na cruz ou no inferno, (depende da escolha da pessoa), mas não importa como a justiça será feita. E devemos perdoar a luz disso.

Espero que tenham gostado 😉 Deu um trabalhão traduzir rsrs. Mas se tocou o coração de um de vocês já valeu!

Um ótimo final de semana pra vcs! Ah! Quem puder está convidado para ir ao ibab jovem amanhã!
(Maiores informações: http://www.ibab.com.br/ibabjovem/outubro-2010.html)

Deus abençoe!

Júlia

Como Perdoar – Parte 2

4. Perdoar não é esperar por um pedido de desculpas.

Algumas pessoas dizem: “Eu vou perdoar quando a pessoa dizer que esta arrependida”. Eu odeio ter que dizer isso pra você, mas algumas pessoas nunca irão se desculpar. Algumas pessoas irão continuar nas suas destrutivas, rebeladas e egoístas vidas até a morte. Algumas pessoas serão teimosas, religiosas e hipócritas e nunca irão confessar ou admitir que feriram alguém. Algumas pessoas irão se afastar e você nunca mais vai falar com elas de novo. Algumas pessoas irão morrer antes da ficha cair. Então, acho melhor você tirar isso do seu coração ao invés de ficar esperando um pedido de perdão.

5. Perdoar não é esquecer.

Isso é um dos grande mitos cristãos. “Bem, nós perdoamos e esquecemos!”. Não, nós não fazemos isso! Você não pode perdoar e esquecer. Você não pode! Não faz parte do ser humano isso! Você foi, seqüestrado, abandonado, surrado, estuprado, traído, enganado ou tantas outras coisas e você consegue simplesmente esquecer? É impossível!
Alguns ao lerem isso, vão apelar para a Bíblia e dizer Deus não se lembra do nosso pecado. E eu te digo, Deus lembra dos nossos pecado, afinal Ele é onisciente, Ele sabe de tudo, Ele não se esquece de nada, certo? Se Ele tivesse problema de memória, Ele deixaria de ser Deus.
Então, o que significa que Deus não lembra mais do nosso pecado? Isso significa que Deus escolhe interagir conosco independente do que tenhamos feito, mas sim baseado no que Cristo fez por nós. Isso significa que Ele escolheu nos ver como novas criaturas e que Ele escolheu trabalhar para um novo futuro. Isso significa que os pensamentos de Deus para nós não são a respeito de todos os pecados que cometemos, mas de toda obra que Jesus fez por nós e em nós, e que pela graça fará através de nós.
E eu vejo muitas vezes isso nas sessões de aconselhamento, quando uma pessoa pecou contra outra e a que cometeu a atitude diz: “Você não deveria se lembrar disso!”. É impossível! Recentemente passei por uma situação como essa. Eu olhei para o esposo e disse: “Você dormiu com a melhor amiga dela. Ela não vai se esquecer disso nunca. Mas ela pode escolher ter um relacionamento com você que não está baseado sobre essa situação. Ela pode escolher perdoar você. Ela pode escolher não pensar nisso a cada minuto de cada dia. Mas ela nunca vai esquecer isso completamente por que foi um evento foi cataclísmico”.

6. Perdoar não é deixar de sentir dor.

Só por que ainda dói, não significa que você falho em perdoar. Alguns de vocês podem ter passado por situações horríveis que alguém lhes fez passar. Coisas horríveis foram feitas para você. Com toda a sinceridade, meus pêsames. E eu seria cruel em dizer que “Bem, se você perdoar, com certeza vai parar de doer”. Bom, vai continuar doendo. Olhe, nós vemos na Bíblia que as lágrimas serão enxugadas dos nossos olhos na vinda de Jesus. Ou seja, isso significa que poderá acontecer de chorarmos ao longo do caminho. A ferida pode continuar a doer até cicatrizar.

7. Perdoar não é um evento único.

Perdoar não é algo do tipo que você fala “Esta perdoado” e pronto acabou. As vezes, a pessoa continua a pecar e então você vai ter que continuar perdoando. Ou as vezes, pode acontecer de você perdoar a pessoa, mas em alguns momentos em que você está mais sensível você sente sua ferida se abrir.
Eu conheço uma mulher que seu marido a traiu há alguns anos. Ele se arrependeu seriamente, pediu perdão e ela honestamente lhe perdoou, desde então eles têm vindo ao aconselhamento e vêem trabalhando nisso. Porém, ela confessou que há momentos, às vezes até mesmo dentro da igreja, em que seu marido não está fazendo nada de errado está conversando com uma amiga em comum ou está próximo de uma mulher, que ela imagina que ele está cometendo adultério novamente e isso faz com que ela sinta tudo o que sentiu na situação do passado de novo e de novo. E com isso ela precisa perdoá-lo novamente por algo que ele cometeu no passado. Ou seja, as vezes perdoar é algo que demanda mais de uma atitude.

Continua amanhã….

Que Deus abençoe

Júlia Lainetti

Como perdoar – Parte 1

O que acontece quando você não é a pessoa que pecou, mas você é a pessoa que foi prejudicada por causa do pecado? O que você faz nessa situação?

Nesse texto do Pastor Mark Driscoll da Mars Hill Church fala sobre a forma como Jesus se dirige ao pecado que é cometido contra nós, e explica que há duas opções: perdão ou amargura, sendo que o perdão é a opção bíblica.

Segue abaixo este texto em que ele fala sobre 10 coisas que definitivamente o perdão não é. Retirado de http://blog.marshillchurch.org/2010/09/27/10-things-forgiveness-is-not/ e traduzido por mim.

“Para começar, vou escrever sobre este assunto com um enorme senso de amor, empatia, compaixão e esperança por você. Mas a verdade é que você precisa perdoar aquela pessoa ou aquelas pessoas que feriram você tão profundamente.

Pelo que tenho visto no meu ministério, eu penso que muitos cristãos não sabem o que de fato o perdão é e deixa de ser. Por isso preparei esta lista:

1. Perdoar não é aprovar ou diminuir o peso do pecado.

Perdoar não é dizer “Bom, ta certo. Ninguém é perfeito. Todo mundo erra!” ou “Também não é um grande problema, podia ter acontecido coisa pior!”.

Não, não é isso! O pecado é um grande problema! É tão grande que Jesus morreu por isso. Então, não desonre a cruz de Jesus e aprove ou diminua algo que para ser solucionado foi necessário que o filho de Deus morresse.

2. Perdoar não é ser cúmplice do pecado.

Eu vejo isso freqüentemente com esposas que entenderam errado o conceito de submissão. “Ok, o esposo é o cabeça do lar, com isso ele deve liderar com amor”. Certo. Ele deveria liderar seguindo o exemplo de Jesus, e se ele não está fazendo isso, a esposa não deveria obedecê-lo em tudo por que sua lealdade maior deve ser a Jesus. Além disso, a primeira qualidade que segue o ser esposa, é ser ajudante, e ajudar a fazer as coisas certas.

As vezes os maridos podem ser egoístas. Eles tomam decisões estúpidas com relação a vida financeira. Eles tomam decisões imprudentes na vida espiritual. E vão fazendo coisas insensatas em vários sentidos da vida não permitindo serem chamados atenção. E em nome do perdão, a esposa vai permitindo tudo isso. Ela se torna cúmplice dessa rebelião do pecado e da loucura.

Você pode perdoar alguém sem ser cúmplice do pecado. Por exemplo, você pode tem um amigo ou um membro da família que é um viciado, você pode perdoá-lo sem concordar com o vício. Quando se trata de perdão, na maioria das vezes é necessário que você tenha que enfrentar e repreender.

3. Perdoar não é negar um delito.

“Aconteceu. Eu esqueci tudo a respeito disso e simplesmente segui em frente. Eu ajo como se isso nunca tivesse acontecido. Eu não deixei com que isso me afetasse”

Isso não é verdade. Perdoar não é negar o problema. Perdoar não é negar que você foi machucado. Não é tapar o sol com a peneira.

Continua amanhã….

Que Deus abençoe

Júlia Lainetti

%d blogueiros gostam disto: