Comentários sobre a união estável de homossexuais

Essa semana foi bem movimentada, né? Logo no início dela o burburinho do casamento do príncipe, aí teve a beatificação do Papa (ia escrever um post sobre isso, mas acabei desanimando com o tanto de coisa que tinha pra fazer), depois o achado das caixas pretas do vôo que caiu indo do Brasil a França, teve também a morte do Bin Laden, e pra fechar a semana teve o reconhecimento da união estável de homossexuais, e sem dúvida este último assunto foi o mais comentado no meio evangélico, alguns se posicionando a favor e muitos se posicionando contra!!

Diante disso fico pensando:

1 – Independente da opção religiosa de cada um, o estado é laico. (Acho que diante disso não tem muito o que comentar)

2 – Esses cristãos que se colocam contra essa legalização esquecem-se que em muito lugares o cristianismo é perseguido, e diga-se de passagem não gostam nada disso, mas quando a questão é dar liberdade aos outros, querem agir como um país islâmico, impondo o Evangelho a força. O que vai fazer com que uma pessoa deixe seus pecados é o Evangelho, por que é por ele que as pessoas deixaram de pecar, e não por falta de leis que as amparem em seus direitos civis.

3 – Como sempre no meio evangélico as pessoas vêem os pecados sexuais como os piores. Minha gente! Quem não tem pecado que atire a primeira pedra! Se alguns pecam em alguns sentidos, outros pecam em outros. Com essas discussões tolas fazemos com que não só os homossexuais, mas com que N pessoas se afastem do Evangelho Verdadeiro, pois agimos da forma contrária a que Jesus agia, Jesus andava junto dos pecadores, não fazia acepção de pessoas, Ele amava cada um, respeitava cada um, e quando as pessoas mudavam suas atitudes, não era por que Ele ficava martelando na cabeça delas, mas sim por que o Espírito Santo agiu e mostrou o que a pessoa deveria fazer. Desse jeito, falamos tão alto que impedimos as pessoas de ouvirem a voz de Deus, que trabalha a Sua maneira e não a nossa.

Para finalizar, deixo este texto que li e gostei muito!

Medo do colorido

Tenho dúvidas quanto as cores que caracterizam a religião: as vezes, me parece cinza… algo opaco, sem brilho, sem graça… por outras, penso que combina mais com o negro, simbolizando o eterno luto em que aqueles que aninham em seus corações a religião passam a expressar como cor da vida (ou seria da morte?).

Entretanto, a simples decisão do STF em conceder igualdade jurídica e amparo legal a casais homossexuais que já vivem juntos – e que as estatísticas apontam que são exorbitantes…60 mil no país! – revelou como religiosos evangélicos e católicos (com ênfase no primeiro grupo) tem medo da multicoloridade do arco íris!

Sou hetero. Sou discípulo de Cristo. Sou defensor da família. E é exatamente por tudo isso que creio que num estado laico ninguém tem o direito, por entendimento religioso, de cercear o direito de cidadãos que não são menos cidadãos que outros por conta de condição sexual. Fico me perguntando se esta ingerência que muitos em nome de Deus desejam fazer no estado brasileiro hoje, passou alguma vez pela cabeça de Jesus enquanto esteve aqui.

Sim, porque Jesus enfrentou situações mais difíceis do ponto de vista governamental e político como judeu, nem por isso mobilizou seus discípulos, sob a batuta de estabelecer o Reino, para lutarem contra o sistema político que estava estabelecido. “Meu Reino não é deste mundo”, afirmava o Mestre a um Herodes perplexo.

Perplexo, aliás, como Ele mesmo deve estar desde ontem ao ver gente que se diz discípula Dele atacando outros discípulos tão somente por entenderem que as mudanças de valores que pretendemos que aconteçam em nosso país não sejam pela via do oficial, do legal, do governamental, mas através da consciência transformada pelo Evangelho.

A pluralidade de cores não muda, em nada, absolutamente… nada. A única coisa que serviu até aqui todo esse embate foi para acirrar ainda mais os ânimos entre grupos extremistas, sejam gays, sejam religiosos evangélicos ou católicos.

Não queremos, nem precisamos de guerra contra qualquer grupo. O Evangelho não puxa a espada contra ninguém, ainda que seja para “defender” a Jesus e Seu Reino. Ele nos manda tão simplesmente amar ao próximo, seja ele colorido ou não!

Fonte: Metanóia

Não é só o sangue de Cristo que tem poder

A IBAB está fazendo uma campanha agora no final do ano intitulada “A vida vale mais: Sangue pela vida”, incentivando as pessoas a doarem sangue. A campanha está pedindo doadores para os hemocentros da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e do HSPE – Hospital do Servidor Público Estadual, este último eu já trabalhei lá e sei que a necessidade de sangue deles é bem real, certa vez eles quase esvaziaram o estoque do hemocentro para salvar a vida de um menino de 5 anos internado na ala de queimados, usavam cerca de 27 bolsas de sangue por dia com ele. Claro que este foi um caso a parte, normalmente uma bolsa de sangue pode salvar até três vidas, no Brasil a cada 2 segundos alguém precisa de transfusão de sangue seja em cirurgias, vitimas de acidentes ou por necessidades como do menino que eu citei.

Então lembrei de uma vez conversando com um amigo do trabalho, Testemunha de Jeová, a respeito da doação de sangue querendo entender o ponto de vista deles. Não sei se é de conhecimento de todos mas eles não aceitam transfusão de sangue nem fazem doação baseando-se em algumas passagens da Bíblia exortando-nos a nos abster do sangue.

Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não impor a vocês nada além das seguintes exigências necessárias: Abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual. Vocês farão bem em evitar essas coisas. Que tudo lhes vá bem. (Atos 9:28,29)

Algumas outras passagens usadas pelos Testemunhas de Jeová para falar a respeito do sangue (Gênesis 9:3-5; Levítico 7:26,27; 17:10,14) trazem uma informação que me chamou muita atenção, a mensagem que sangue é VIDA. Se alguém se nega a doar sangue, se nega salvar a vida do seu irmão, é um homicida por negligência e se alguém se recusa receber sangue é um suicida.

Essas passagens citadas referem-se a usar o sangue como alimento, mas a transfusão de sangue não é usá-lo como alimento, seria mais parecido com um transplante de órgãos pois o sangue não é digerido, ele fica no corpo do receptor da mesma maneira como foi transferido.

Em Levíticos 7:13 foi estabelecido um ritual onde era derramado na terra o sangue do animal usado como alimento, este ritual simbolizava a devolução daquela vida a Deus, ou seja, não significa que é proibido entrar partícula alguma de sangue no nosso organismo, pois cerca de 30% do sangue ainda permanece na carne mesmo após ser derramado, porém é necessário “prestar contas” daquela vida derramada que será usada como alimento. Ainda hoje é feito isso pois o sangue é extraído da carne antes de ser vendida.

A todo que derramar sangue, tanto homem como animal, pedirei contas; a cada um pedirei contas da vida do seu próximo. (Gênesis 9:5)

É necessário ter um motivo para “derramar” o sangue, se é para alimento pois bem se é para salvar a vida de alguém ainda melhor é o motivo. Os evangelhos sempre nos exortam a doar nossa vida pelo próximo e sermos imitadores de Cristo que derramou Seu sangue para nos salvar.

Sangue é vida, doe sua vida pelo próximo!

Que Deus abençoe
Lucas Lainetti

Assuma a responsabilidade!

Um dias desses estava no culto domingo e nosso pastor contou uma história que me fez pensar…

Vamos supor que vc esta andando pela igreja e você vê que o extintor de incêndio está mal colocado. Aí você pensa, nossa ninguém viu isso!? Pode cair e machucar alguém… Imagina a tragédia…

Mas, ao invés de você passar a informação a diante, você segue seu caminho e vai embora…

E semana seguinte quando você chega ao culto você fica sabendo que o extintor caiu no pé de alguém e a pessoa acabou com uma fratura.

Bem, diante de tudo isso de quem é a culpa?

Sua? Que viu e não passou pra ninguém a informação, por que afinal de contas você não trabalha na manutenção da igreja.

Do pessoal da manutenção?

Ou da pessoa que tava passando perto do extintor e nem prestou atenção que ele tava caindo?

Essa é uma história fictícia, mas que em minha opinião podia acontecer com qualquer um de nós…

E qual será que é a situação que está acontecendo hoje mesmo e podemos nos identificar dessa mesma forma?

Muitos de nós ( eu inclusive ) as vezes vemos situações ocorrendo a nossa volta no trabalho, na faculdade, na igreja, na sociedade e pensamos: “Bom, isso não é problema meu… isso é culpa do governo, da pessoa do outro departamento, do meu colega de grupo” e assim vai! As situações acabam virando uma grande bola de neve e um problema que era um probleminha acaba se tornando um problemão!

Não estou falando para assumirmos a responsabilidade alheia, teve uma época da minha vida que eu era ótima em fazer isso: assumir o mico alheio. Mas as vezes as situações precisam apenas que alguem tome a frente e organize a situação.

O vídeo abaixo faz com que a gente medite um pouquinho sobre esse assunto.

E pra encerrar deixo uma frase:

A responsabilidade do problema é daquele que o vê.

Se estamos vendo que algo precisa ser melhorado, que uma atitude precisa ser tomada, que alguém precisa de ajuda. Creio que podemos dar o primeiro passo! Não que dessa forma a gente vá conseguir mudar o mundo, mas assim como uma gota de óleo consegue contaminar uma quantidade absurda de água, uma atitude positiva fazer uma grande diferença!

E com tudo isso não tem como não tocar no assunto da Campanha de Natal da Ibab, que dentre outras ações está com a Campanha Sangue pela Vida (uma bolsa de sangue pode salvar 3 vidas!) e do Cadastro para doação de medula.

Informe-se no site http://www.avidavalemais.com.br/ e vamos tentar todos fazer a nossa parte!

Com carinho

Que Deus abençoe a todos

Júlia

Não durma no ponto!!!

“Portanto, vigiem, porque vocês não sabem o dia nem a hora! ” (Mateus 25:13)

Mateus 25 1-13 relata Jesus contando a parábola das 10 virgens, 5 prudentes e 5 insensatas. Tradicionalmente (pelo menos 102% das vezes que eu ouvi essa passagem em uma pregação) ela é usada para falar a respeito dos últimos dias, arrebatamento e essas coisas, mas eu estava pensando esses dias sobre essa passagem e percebi uma coisa, essa parábola está contextualizada na explicação de uma pequena pergunta dos discípulos: “Dize-nos, quando acontecerão essas coisas? E qual será o sinal da tua vinda e do fim dos tempos? ” (Mateus 24:3)  Ele gasta uma vasta explicação e usa 3 parábolas inteiras para responder a essa pergunta. Será que Ele gastaria tudo isso para deixar uma mensagem apenas para implantar medo no coração de alguns? (desculpem os legalistas mas lendo isso eu lembro de pregações do tipo “se você pecar no último segundo você vai pro inferno” como se alguém conseguisse ser perfeito).

 

Aprendi que as parábolas de Jesus contém uma profundidade imensa e pode-se tirar várias lições delas, não creio mais que essas parábolas queriam pregar condenação ao inferno àquele que deslizou no último momento de vida, isso vai contra a graça divina e transformaria a salvação em uma loteria espiritual (se você morrer num dia que está bem com Deus se deu bem, mas se for num dia de deslize já era). Parei um pouco para tentar reconstruir a imagem desse texto na minha mente, derrubar alguns restos da teologia legalista que ainda resta na minha mente e reconstruir pela ótica da graça de Jesus.

 

Hoje eu entendo que o chamado a ser cristão não é apenas um chamado a santidade, vai além disso, somos chamados a ser “sal da terra”, “luz do mundo”, não temos que nos enfiar em uma bolha esperando que tudo se resolva milagrosamente, se assim o fosse não seria necessário uma segunda vinda do Messias, Ele já resolveria tudo de uma vez só! Ele veio e nos deixou uma missão para colaborar com o Reino de Deus aqui na terra até Sua volta. O “sal”, usado como analogia, não era somente uma questão de dar gosto aos alimentos, era questão de sobrevivência humana para aquela época e da mesma maneira Jesus queria dizer que nós, os cristãos, temos que agir em prol da sobrevivência do mundo para que ele não seja completamente consumido pela maldade. Sal da terra na terra, luz do mundo no mundo.

 

“Eu os estou enviando como ovelhas entre lobos. Portanto, sejam prudentes como as serpentes e simples como as pombas.” (Mateus 10:16)

 

Agora entendo que a parábola das virgens era um alerta para não nos enfiarmos na “bolha” e encararmos nossa missão de sinalizar o Reino, não podemos “dormir no ponto”, temos que prestar atenção o que acontece a nossa volta e reagir conforme a vontade de Deus, sinalizar o Reino além do templo, culto, clero e domingo. Temos que ser agentes transformadores da sociedade através de nossas atividades “seculares” também, permear os valores cristãos em todas nossas atitudes. Ao contrário da religiosidade, nossa missão não é impor padrões morais aos outros e sim transparecer valores cristãos em nossas atitudes, a luz do mundo emana de dentro para fora sinalizando o Reino.

 

Ok, mas por que eu tô falando isso?

 

Durante os últimos meses vi uma mobilização colossal das comunidades evangélicas em prol de seu candidatos, algumas “igrejas” simplesmente pararam suas atividades para fazer de suas celebrações propagandas políticas, evangelistas viraram cabos eleitorais tudo isso para fazer a cabeça de alguns e disseminar ideais políticos. Independente dos métodos utilizados, dos quais eu não concordo, há uma verdadeira mobilização de massa em prol de um ideal. Agora eu me pergunto por que os evangélicos não fazem essa mesma mobilização de massa para defender os valores que pregamos como ideais? Já pensou uma mobilização em massa em defesa da ética na política e nas relações comerciais? Ou pressionando o Estado a dar mais atenção aos necessitados a tanto tempo “esquecidos” para que as verbas sejam desviadas para a corrupção? (comentário: engraçado defenderem a volta da CPMF para investir na saúde pública enquanto ninguém fala dos deputados que desviam verbas da saúde para pagar plástica para suas amantes).

 

Não somente os cristãos, mas eu creio que toda a sociedade adormece inerte e não sabe o poder de pressão que tem sobre os políticos, estamos agindo como as viúvas insensatas, deixamos as coisas acontecerem debaixo do nosso nariz e só reagimos quando já é tarde demais e só nos resta chorar. Temos que que despertar e sermos prudentes, sinalizar o Reino a todo tempo e em tudo o que fazemos, não podemos dormir no ponto.

Que Deus abençoe (e nos ajude rs)

Lucas Lainetti

 

Vídeos Bônus

 

He he esse texto começou  quando me deparei com esses vídeos abaixo, vi que muitas coisas acontecem bem de baixo do nosso nariz e não nos damos conta dos fatos, no final do ano passado, época de natal ninguém presta muita atenção no  que o governo faz, foi então que o presidente voltou às pressas de uma conferência para assinar o PNDH3 e isso gerou um certo burburinho na imprensa, aí é claro que o presidente alegou que não sabia de nada e assinou tudo sem ler, passou um tempo, aproveitou-se a Copa para abafar o caso e fazer tudo cair no esquecimento e ninguém lembra de mais nada quando chegam as eleições. PNDH3  significa Plano Nacional de Direitos Humanos versão 3, veja abaixo alguns vídeos com opiniões de jornalistas, juristas, políticos e religiosos sobre as propostas desse plano:

 

 

 

 

A Vida Vale Mais

Antes do Lucas dar continuidade aos posts sobre relacionamento, vou interromper um pouco e falar sobre a Campanha de Natal da nossa igreja – a Ibab.

As Campanhas de Natal fazem parte da vida da Ibab desde 2002. Este é um tempo quando nossa comunidade reafirma a sua visão e compromisso de servir a Cristo servindo pessoas, por meio das ONGs parceiras da Rede Ibab Solidária, para glória de Deus.

Neste ano de 2010, a Ibab apoiará 30 organizações e projetos sociais, que encaminharam suas necessidades e desafios, e que assumem o compromisso de oferecer continuidade e qualidade nos serviços prestados às crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos, famílias e gestantes. As doações arrecadadas durante a campanha serão encaminhadas as instiuições mensalmente durante todo o ano de 2011.

No site http://www.avidavalemais.com.br você encontra informações detalhadas a respeito dos desafios e das ações que mobilizarão a Ibab nesses meses de outubro, novembro e dezembro.

Seja um voluntário! Aproveite essas informações para saber mais a respeito de como participar. Chegue mais perto das organizações, identifique uma organização próxima a você, disponibilize suas habilidades, seu tempo e seus recursos. Doe e doe-se!

Ore pela campanha, pelas organizações parcerias, seus funcionários e voluntários, e também pelas pessoas e famílias atendidas diariamente em cada projeto. Ore pela Ibab, pela mobilização de todos, para que cresça em todos nós um coração comprometido com a vida: a vida vale mais!

Para complementar gostaria de deixar uma frase que o Pastor Ed disse hoje na pregação:

Somos próximos daqueles que nos fazemos próximos

Que Deus abençoe a todos!

Júlia

 

%d blogueiros gostam disto: