A incrível Igreja Invisível

Oi gente, tudo bem?
Bom, esse final de semana tivemos o prazer de conhecer o pessoal do blog Crentassos, passamos um tempo muito legal com eles e esperamos que isso possa se repetir mais vezes! 😉

No nosso encontro, participamos de um PG (Pequeno Grupo) com eles, e conversa vai, conversa vem o Cristiano comentou desse post “A incrícel Igreja Invisível” que eu ainda não tinha lido, adorei e coloco aqui pra vocês lerem também.

Salve macacada… Todos bem?! Espero q sim! …

Alguem por ai, q tenha mais de 30 deve lembrar de, ninguem mais ninguem menos, q o SPACE GHOST… (vixe, q cheiro de naftalina!) Um super heroi espacial (dãh!) q serviu para segurar a queda na audiencia da CBS no final da década de 1960, para ABC.

Entre outros poderes estrambolicos, ele podia ficar INVISÍVEL! hehehe é isso ai,

IN-VI-SI-VEL

Parece q esse é um poder muito legal… Vc poderia fazer varias coisas como por exemplo, escutar pessoas conversando sem ser notado, entrar em lugares q não poderia caso pudesse ser visto, e isso já encheu de ideia os nossos queridos leitores mais assanhados 😀

Essa historia começou assim, descontraída, mas imagine agora um outro caso… a “lenda” cristã de que no final dos tempos, o Cristo virá e levará a todos os crentes junto a ele a um lugar espiritual, de onde nunca mais voltarão… é isso, os crentes vão SUMIR! ESCAFEDER! EMPIRULITAR… Serão ARREBATADOS (guarde essa palavra)

Agora te pergunto! Q efeito isso terá no restante da Terra?! Pois é… Q diferença faria se a tua igreja sumisse hoje da terra?

A favela q fica ali perto, sentiria falta? Os carrinheiros q transitam pela frente, sentiriam falta? Os milhares de homens, mulheres e crianças q diariamente convivem com vcs, seriam abalados por essa falta?! Ou será q a sua igreja é INVISÍVEL?! Tipo Space Ghost?!

Será q apenas o Espírito diz “Vem” enquanto a noiva diz “Espere” ???

Será q somos necessários ao mundo, será q somos relevantes a essas pessoas q ainda não conhecem o evangelho de Cristo… E alias, se não conhecem, oq estamos esperando!?

Sua igreja é invisível?! Sua igreja só será Arrebatada, se fizer falta!!! Pense nisso!

Fonte: Crentassos

 

Anúncios

Cristãos Radicais

Aguardava o início do culto numa igreja quando, de repente, imagens inusitadas começam a ser projetadas no telão. Uma seqüência de fotos de skatistas, surfistas, ciclistas, jetskistas (?), entre outros praticantes de esportes radicais, era apresentada, sem algum motivo claro. Aquilo não teve nada a ver com as músicas ou com a pregação. Também me pareceu que ninguém naquele momento pré-culto era um grande praticante daqueles esportes. Mas havia um motivo para aquilo – era um culto jovem. Tratava-se de uma clara tentativa de trazer uma linguagem jovem para a igreja, como os publicitários fazem com os produtos. Talvez, imaginei, são imagens que aparentemente transmitem a necessidade de um compromisso radical com Jesus ou que passam uma idéia de ousadia. Entendo a boa intenção dos líderes daquele ministério, mas questiono a necessidade e a eficácia do método.

Em primeiro lugar, quem se identifica com essas imagens? Muitos, é claro. Mas ao mesmo tempo, existe muita gente que não se identifica. Passei bastante tempo na universidade e já estive em muitos papéis. Já fui aluno picareta e já fiz parte dos nerds. Já fiz curso de exatas e curso de humanas. Conheço pessoas que achariam as fotos inspiradoras e “legais”, mas também sei de muitos que veriam uma clara tentativa de forçar temas jovens na igreja. Dos amigos que conquistei na faculdade, duvido que algum realmente se impressione com imagens de esportistas. Claro que meus amigos não representam todos os jovens do país (nem minha experiência é base para afirmações definitivas). No entanto, esses colegas representam, pelo menos, parte da elite cultural do País, um grupo pouco alcançado pelas igrejas.

Existe uma crença em muitas igrejas de que juventude é associada especialmente a esportes e música. Acredito que isto venha dos padrões impostos pelo mundo, como nossos canais de TV, por exemplo, nos deixam claro. Isso é péssimo, porque nós não somos a MTV ou a Capricho, nem deveríamos ser. Primeiro, porque estamos aqui para pregar o Evangelho. Segundo, porque não temos capacidade para isso, e fazemos fracas paródias.

Assim, a igreja muitas vezes ignora os nerds, alternativos, cults e pseudocults, engajados, etc. Ninguém se preocupa muito com o que um estudante falará para seu colega adepto do marxismo, a menina fã de Freud ou simplesmente aquele cara que se preocupa mais em ser engraçado que com seu físico. Pensa-se que uma boa banda de rock e um apelo aos esportes garantem tudo.

É claro que essas são estratégias que funcionam às vezes. Mas a juventude brasileira tem muito mais tendências e anseios que muito líder pensa (e estou tratando apenas da elite cultural). Como disse, não conseguiria impressionar nenhum amigo não-cristão meu com fotos de acrobacias numa bicicleta. Talvez quadros de pintores modernistas chamariam mais atenção. Mas isso não funcionaria com o cara engraçado. Bem, para ele, eu poderia colocar imagens de Jerry Seinfeld. Mas isso não funcionaria com o marxista. Nem com o cara de esportes.

A solução é bem mais simples (embora pareça complicada e/ou óbvia à primeira vista). Ao invés de forçar uma sensação de juventude em seus ministérios de mocidade, as igrejas deveriam ensinar seus jovens a confrontarem o pensamento secular (que se manifesta das mais variadas formas, vide a quantidade de “tribos urbanas”, e em todos os assuntos – por exemplo, o filme em cartaz no cinema) com uma cosmovisão bíblica, e a defenderem-se com uma apologética bem embasada na Palavra e apoiada por dados da ciência e da história. Por fim, se o cristão conseguiu dialogar com seu colega incrédulo, uma evangelização que tenha ênfase na pessoa e na obra de Cristo é essencial.

Caberá aos jovens deste ministério (e não apenas aos líderes) transformar esse conhecimento adquirido em uma mensagem para cada grupo Há um ponto comum a todos os jovens.

Todos têm uma necessidade de salvação e de respostas, sejam esportistas, nerds, cults, marxistas, hippies, místicos ou ecologistas. E o Cristianismo tem aquilo que cada grupo procura.

Não é uma projeção de fotos de esportes que criará uma mente cristã entre os nossos jovens, mas o verdadeiro ensino de Jesus. Um projeto missionário funciona bem com jogadores de futebol em determinada nação, mas não pode esquecer-se dos velhos, das mulheres e dos inválidos, por exemplo. Não são fotos, bandas, expressões artísticas que trarão as respostas às grandes questões que os todos – não apenas jovens – fazem. É a pessoa de Cristo e, conseqüentemente, a cosmovisão cristã.

Podemos até nos identificar com alguns esportistas, políticos, pintores ou músicos. Mas é somente com Deus fazendo-se homem que todo homem, de toda tribo, se identifica e se encontra plenamente. Até mesmo o cara engraçado da turma.

Por: Josaías Jr

Via: iPródigo

Como utilizar a Bíblia (parte final)

3 – Ela não é absoluta, somente Deus é absoluto.

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, (2 Timóteo 3:16)

Até onde me recordo, existe apenas uma parte na história onde o próprio Deus escreve algo e esses são os famosos dez mandamentos, todo o resto da história apresentada na Bíblia é sempre algum ser humano que escreve em próprio punho mesmo. Isso me mostrou um fato interessante …. Deus sabe escrever.

Onde eu quero chegar com isso? Simples, se Deus quisesse deixar um texto absoluto e perfeito Ele mesmo teria escrito, afinal de contas o Todo-Poderoso não iria depender de alguém para uma tarefa dessas né? Se Ele quer, Ele faz e pronto. Pode parecer bem chocante o que eu vou dizer a seguir mas tente me entender rs, a afirmação que a Bíblia é o livro escrito pelo próprio Deus está errada!! Repito, Ele sabe escrever e poderia Ele mesmo ter escrito mas não foi assim, “Toda a Escritura é inspirada por Deus” isso quer dizer que Ele inspirou homens a escrever seus relatos de suas experiências com Deus, por isso é válida a frase que a Bíblia não é absoluta, somente Deus o é.

É justamente por isso que se faz tão necessário contextualizar o texto, pois aquilo é um relato histórico da experiência com Deus a partir da cosmo-visão de um homem e isso depende de contexto histórico e cultural do autor. Prova disso está quando Paulo, por exemplo, diz coisas que ele mesmo afirma que são opinião dele e outras que ele fala pelo Espírito ou pelo fato de Pedro parecer tão inconstante na história. Deus não muda mas as pessoas amadurecem, portanto mudam de perspectiva.

A Bíblia é toda coerente em seu contexto e mensagem geral, mas os seus relatos específicos passam pelo prisma do autor. O fato de ela ter sido inspirada por Deus para ser escrita já me garante sua veracidade e idoneidade na escrita, mas justamente por ter sido somente inspirada e não escrita pelo punho de Deus é que me parece bastante razoável que ela tenha algumas diferenças entre os evangelhos por exemplo.

Alguns ateus vivem criticando e até mesmo minando a fé de muitos ao apontar coisas do tipo se o galo cantou uma ou duas vezes depois de Pedro negar Jesus, se havia um homem, dois homens, anjo ou anjos no sepulcro de Jesus quando Maria foi visitá-lo. Ora, isto é um detalhe tão mínimo e é claro que isto depende da memória do autor para escrever então nada disso põe em descrédito as palavras da Bíblia. Qualquer um que ou acredita em absolutamente tudo ou absolutamente nada de algo está com preguiça de pensar e quer algo prontinho de bandeja.

Para resumir vou deixar algumas dicas para a próxima vez que você for ler a Bíblia:

  1. Não é um livro de biologia, se está escrito que Jonas foi engolido por um grande peixe, pode considerar que era uma baleia, ninguém da época tinha visto uma baleia mamar para dizer que não era um peixe e sim um mamífero.
  2. Tente extrair sempre a mensagem do contexto, tente pensar como os personagens pensavam, as coisas farão muito mais sentido.
  3. Entenda que a Bíblia foi inspirada por Deus para que através dela outros sejam inspirados também, se Deus usou uma mula para falar com Balaão ainda hoje Ele pode usar várias coisas para falar com você.
  4. Estude ela pois é muito importante para ter um referencial, veja ela como algo do tipo “Manual de lições aprendidas”, ela pode te livrar de várias situações ruins que você não precisaria sofrer na pele se tivesse visto algum exemplo anterior.
  5. Use ela como “régua” para julgar as coisas, se algo vai diretamente contra ela logo não é bom fazer, mas se ela não diz nada cabe a você julgar o que lhe parece bem. Lembre-se que tudo me é licito mas nem tudo convém.
  6. Não se apegue a detalhes nem perca seu tempo com discussões inúteis a respeito de quando as estrelas foram criadas ou quando o diabo entrou em Judas, isso não é importante, o importante é extrair sabedoria dela e ver o que Deus fez na vida das pessoas.
  7. Não pense que aquilo que é “gospel” tem um selo de aprovação e fora disso é profano, não tenha preguiça de pensar, às vezes o “gospel” é enganação e há coisas sábias em coisas “do mundo”. Examine de tudo e retém o que é bom (1 Tessalonicenses 5:21)

mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom.(1 Tessalonicenses 5:21)

Que Deus abençoe
Lucas Lainetti

Como utilizar a Bíblia

Este post é continuação de “Se não existisse a Biblia a Palavra de Deus sumiria?” publicado ontem

2 – Ela não é um relato 100% acurado cientificamente

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, (2 Timóteo 3:16)

Cansei de ver discussões intermináveis em fóruns de dúvidas bíblicas sobre coisas do tipo se Deus utilizou 168 horas (7 dias corridos) para criar o planeta todo, ou sobre a existência de dinossauros ou gigantes. De um lado são os cristãos fundamentalistas parecendo crianças tentando colocar um cubo dentro de um buraco no formato de circulo do outro são os ateus minimalistas que não arredam o pé se apegando a detalhes ínfimos da narrativa bíblica para afirmar que provas cientificas dizem que não foi assim logo todo o texto bíblico está invalidado.

Ilustração de Carlos Ruas (contém cenas escandalizáveis rs)

Só para constar, eu sou cristão convicto sem nenhuma sombra de dúvida das verdades bíblicas mas não é por isso que eu vou defender com unhas e dentes a literalidade do Gênesis. Eu mesmo não creio assim, não imagino que Deus tenha falado “porco!” e apareceu um porco ali no matinho, aí Ele diz “galinha!” e “póóóóó!” aparece uma galinha do nada (e mata o porco do coração).

No entanto creio que seria no mínimo estranho se quando Deus estava com Moisés no monte contando para ele sobre a criação e tentasse explicar para ele sobre DNA, genética, física quântica e essas coisas “fáceis” de entender. Imagine você por exemplo tentando explicar para uma criança de 4 anos a pergunta dela de “Por que a Lua não cai do céu?”, você iria tentar explicar para ela sobre gravidade, centro gravitacional e como isso gera uma órbita no espaço ou acharia mais adequado dizer que era por que ela ta bem pregadinha no céu? Pois é, imagine a situação de Deus tentando explicar tudo sobre tudo pra um cara que acabou de ver a agricultura como última novidade tecnológica, difícil né?

Como Paulo relata em 2 Timóteo, a Bíblia é para ensino, repreensão, correção e instrução na justiça. Em outras palavras, ela contém sabedoria e esta deve ser interpretada e contextualizada em nossas vidas, as histórias relatadas devem nos servir de base para aprender com as experiências dos nossos antecessores e adquirirmos uma consciência bíblica para nos levar a pensar conforme a vontade de Deus, a Bíblia não é um sistema lógico do tipo “se acontecer isso faça aquilo” e muito menos um relato preciso de fatos científicos (muito menos de genética). As Escrituras nos contam os perigos, dificuldades, conquistas e derrotas de pessoas que tinha um relacionamento íntimo com Deus, devemos usar isso para basear nossas experiências na nossa busca de relacionamento particular com Ele e não ficar preocupado com quantos anos a Terra tem ou se Golias tinha 2,17 m ou 3m, isso pouco importa em uma história contando a vida de Davi que confiou tanto em Deus e foi às ultimas consequências para defender seus ideais.

3 – Ela não é absoluta, somente Deus é absoluto.

Continua no próximo post … hehe

Que Deus abençoe

Lucas Lainetti

Se não existisse a Biblia a Palavra de Deus sumiria?

Quando o sábio aponta para as estrelas, o idiota olha para o dedo… (Provérbio chinês)

Algumas vezes tenho a “sorte” de ler alguns argumentos ateístas que me fariam rir se não fosse tão trágico. Pior ainda são cristãos usando a mesma lógica para justificar seus atos, explico: estou falando de pessoas que partem do pressuposto de que o fato de alguma atitude estar relatada na Bíblia entendem que é o suficiente para que esta seja aprovada por Deus (tipo o fato de Davi ser descrito como o homem com o coração segundo Deus e ainda sim mentir e pegar a mulher do vizinho), ou se apegam a detalhes tão insignificantes e isolam uma ou outra passagem e fazem disso uma bandeira para distorcer a Palavra de Deus e fazê-la cair em descrédito ou criar heresias.

Me lembra uma cena dos Simpson’s onde o Bart fica anotando palavras da Bíblia que ele poderia usar como xingamento, como coito, meretriz e bastardo, aí ele teria o que falar caso sua mãe reclamasse afinal elas estão na Bíblia. É hilário pensar que esse argumento dele funcionaria, mas eu não duvido muito que deixaria muita gente desconcertada rs. (em breve eu vou escrever sobre palavrão e falo mais disso hehe)

Gostaria que algumas pessoas entendessem 3 verdades sobre a Bíblia

  1. Toda ela é verdade, mas isso não significa que ela é toda a verdade (Fabrício Cunha)
  2. Ela não é um relato 100% acurado cientificamente sobre a geologia, genética ou qualquer outra ciência, eu não tenho crise de consciência ao me dizerem que a Bíblia não menciona a criação dos dinossauros.
  3. Ela não é absoluta, somente Deus é absoluto.

Agora vamos explicar melhor cada item antes que me ponham na fogueira rs

1 – Toda ela é verdade, mas isso não significa que ela é toda a verdade

Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis; (Romanos 1:20)

Achei até mesmo estranho que essa frase tenha crido polêmica no blog do Fabrício quando ele usou em um texto dele, pois para mim sempre foi muito presente na minha vida Deus se revelando de maneira empírica através de coisas simples do dia a dia. Ele usou isso para me converter e ainda hoje como cristão eu aprendo muito da mesma maneira, seja através de uma música “do mundo”, um filme qualquer (até fiz um post baseado no Tropa de Elite, lembram?).

Hoje eu confronto as coisas que eu vivo à luz da Bíblia, mas sei que fora dela há sabedoria também (estou usando um provérbio chinês nesse texto por ex rs). Deus se revela nas sutilezas do dia a dia a todo instante, numa atitude que você toma, em um bom dia que te anima num dia mau humorado e etc. A Bíblia me serve como um guia, lâmpada para meus pés (Salmos 119:105) mas não é a totalidade do meu relacionamento com Deus.

2 – Ela não é um relato 100% acurado cientificamente

Continua no próximo post … hehe

Que Deus abençoe

Lucas Lainetti

%d blogueiros gostam disto: