Se Jesus fosse neopentecostal

Se Jesus fosse neopentecostal, não venceria satanás pela palavra, mas teria o repreendido, o amarrado, mandado ajoelhar, dito que é derrotado, feito uma sessão de descarrego durante 7 terças-feiras, aí sim ele sairia. (Mt 4:1-11)

Se Jesus fosse neopentecostal, não teria feito simplesmente o “sermão da montanha”, mas teria realizado o Grande Congresso Galileu de Avivamento Fogo no Monte, cuja entrada seria apenas 250 Dracmas divididas em 4 vezes sem juros. (Mt 5:1-11)

Se Jesus fosse neopentecostal, jamais teria dito, no caso de alguém bater em uma de nossa face, para darmos a outra; Ele certamente teria mandado que pedíssemos fogo consumidor do céu sobre quem tivesse batido pois “ai daquele que tocar no ungido do senhor” (MT 5 :38-42)

Se Jesus fosse neopentecostal, não teria curado o servo do centurião de cafarnaum à distância, mas o mandaria levar o tal servo em uma de suas reuniões de milagres e lhe daria uma toalhinha ungida para colocar sobre o seu servo durante 7 semanas, aí sim, ele seria curado. (Mt 8: 5-13)

Se Jesus fosse neopentecostal, não teria multiplicado pães e peixes e distribuído de graça para o povo, de jeito nenhum!! Na verdade o pão ou o peixe seriam “adquiridos” através de uma pequena oferta de no mínimo 50 dracmas e quem comesse o tal pão ou peixe milagrosos seria curado de suas enfermidades. (Jo 6:1-15)

Se Jesus fosse neopentecostal, ele até teria expulsado os cambistas e os que vendiam pombas no templo, mas permaneceria com o comercio, desta vez sob sua gerência. (MT 21:12-13)

Se Jesus fosse neopentecostal, quando os fariseus o pedissem um sinal certamente ele imediatamente levantaria as mãos e de suas mãos sairiam vários arco-íris, um esplendor de fogo e glória se formaria em volta dele que flutuaria enquanto anjos cantarolavam: “divisa de fogo varão de guerra, ele desceu a terra, ele chegou pra guerrear”. E repetiria tal performance sempre que solicitado. (Mt 16:1-12)

Se Jesus fosse neopentecostal, nunca teria tido para carregarmos nossa cruz, perdermos nossa vida para ganhá-la, mas teria dito que nascemos para vencer e que fazemos parte da geração de conquistadores, e que todos somos predestinados para o sucesso. E no final gritaria: receeeeeeebaaaaaa! (Lc 9:23)

Se Jesus fosse neopentecostal, não teria curado a mulher encurvada imediatamente, mas teria a convidado para a Escola de Cura para o aprender os 7… veja bem, os 7 passos para receber a cura divina. (LC 13:10-17)

Se Jesus fosse neopentecostal, de forma alguma teria entrado em Jerusalém montado num jumento, mas teria entrado numa carruagem real toda trabalhada em pedras preciosas, com Poncio Pilatos, Herodes e a cantora Maria Madalena cantando hinos de vitória “liberando” a benção sobre Jerusalém. E o povo não o receberia declarando Hosana! Mas marchariam atrás da carruagem enquanto os apóstolos contaariam quantos milhões de pessoas estavam na primeira marcha pra Jesus. (MT 21:1-15)

Se Jesus fosse neopentecostal, ao curar o leproso (Mc 1:40-45), este não ficaria curado imediatamente, mas durante a semana enquanto ele continuasse crendo. Pois se parasse de crer.. aiaiaiaia

Se Jesus fosse neopentecostal, não teria expulsado o demônio do geraseno com tanta facilidade, Ele teria realizado um seminário de batalha espiritual para, a partir daí se iniciar o processo de libertação daquele jovem. (Mc 5:1-20)

Se Jesus fosse neopentecostal, o texto seria assim: “ Mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um pobre entrar no reio dos céus” (Mt 19:22-24)

Se Jesus fosse neopentecostal, não teria transformado água em vinho, mas em Guaraná Dolly. (Jo 2:1-12)

Se Jesus fosse neopentecostal, ele teria sim onde recostar sua cabeça e moraria no bairro onde estavam localizados os palácios mais chiques e teria um castelo de verão no Egito. (Mt 8:20)

Se Jesus fosse neopentecostal, Zaqueu não teria devolvido o que roubou, mas teria doado seu ao ministério. (Lc 19:1-10)

Se Jesus fosse neopentecostal, não pregaria nas sinagogas, mas na recém fundada Igreja de Cristo, e Judas ao traí-lo não se mataria, mas abriria a Igreja de Cristo Renovada.

Se Jesus fosse neopentecostal, não diria que no mundo teríamos aflições, mas diria que teríamos sucesso, honra, vitória, sucesso, riquezas, sucesso, prosperidade, honra…. (Jo 16:33)

Se Jesus fosse neopentecostal, ele seria amigo de Pôncio Pilatos, apoiaria Herodes e só falaria o que os fariseus quisessem ouvir.

Certamente, Se Jesus fosse neopentecostal, não sofreria tanto nem morreria por mim nem por você… Ele estaria preocupado com outras coisas. Ainda bem que não era.

Felipe Almada, postado no blog Fé e Razão / Púlpito Cristão

Cheio de Deus

Sabe quando você vai a uma churrascaria e come tudo que tem direito e só sai de lá quando o guincho chega para te carregar? Imagine que você está saindo da churrascaria completamente satisfeito ou não só satisfeito como também empanturrado de tanto comer……picanha,hahaha. E no caminho que você faz para chegar ao seu carro, você se depara com aquela banca de pastel (pastel que por sinal normalmente você não consegue resistir). E por um momento você pensa em parar para comer nem que seja um pastelzinho, mas ao mesmo tempo você está tão cheio, tão satisfeito, que embora você goste demais do pastel, não é dominado pela vontade de comer. A historinha é engraçada mais tem muito a ver com a gente hoje.

Com o pecado em nossas vidas não é muito diferente. Acredito que pecar, cair em tentação, tem muito a ver com a insatisfação ou satisfação que temos em Deus.

Quando estamos satisfeitos, cheios e transbordantes da presença de Deus, podemos nos deparar com a tentação, com a oportunidade de errar, com aquilo que até satisfaz a nossa carne, mas estamos tão satisfeitos com Deus, tão cheios da presença dele em nós que o pecado não nos atingirá. Conseguimos resisti-lo porque estamos satisfeitos e preenchidos por Deus.

E assim foi com Jesus:

Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do rio Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto. Ali ele foi tentado pelo Diabo durante quarenta dias. Nesse tempo todo ele não comeu nada e depois sentiu fome. Então o Diabo lhe disse: — Se você é o Filho de Deus, mande que esta pedra vire pão. Jesus respondeu: — As Escrituras Sagradas afirmam que o ser humano não vive só de pão. Aí o Diabo levou Jesus para o alto, mostrou-lhe num instante todos os reinos do mundo e disse: — Eu lhe darei todo este poder e toda esta riqueza, pois tudo isto me foi dado, e posso dar a quem eu quiser. Isto tudo será seu se você se ajoelhar diante de mim e me adorar.

Jesus respondeu: — As Escrituras Sagradas afirmam: “Adore o Senhor, seu Deus, e sirva somente a ele.” Depois o Diabo o levou a Jerusalém e o colocou na parte mais alta do Templo e disse: — Se você é o Filho de Deus, jogue-se daqui, pois as Escrituras Sagradas afirmam: “Deus mandará que os seus anjos cuidem de você. Eles vão segurá-lo com as suas mãos, para que nem mesmo os seus pés sejam feridos nas pedras.” Então Jesus respondeu: — As Escrituras Sagradas afirmam: “Não ponha à prova o Senhor, seu Deus.” Quando o Diabo acabou de tentar Jesus de todas as maneiras, foi embora por algum tempo.

Essa história nos ensina muitas coisas, e em nome de Jesus o Espírito Santo irá trazer para as nossas vidas um ensino poderoso.

1- Sempre esteja cheio da presença de Deus.

O verso 1 diz que Jesus estava CHEIO do Espírito Santo quando foi levado ao deserto. Lembra da historinha lá em cima, de sair cheio e satisfeito da churrascaria? Pois é Jesus andava cheio e satisfeito da presença de Deus.

2- Deus nos levará ao deserto.

Jesus foi levado ao deserto pelo Espírito, ou seja, assim como Jesus, seremos levados ao deserto pelo Espírito de Deus. Porque na verdade o lugar que estamos não importa, o que faz a diferença é se estamos cheios e satisfeitos com o Espírito Santo.

3- Cuidado, geralmente em necessidades somos tentados!

Quando Jesus passou os 40 dias em jejum o diabo se aproximou e começou a mostrar atalhos e saídas para as necessidades Dele. E assim fará conosco!

4- Não racionalize as necessidades.

Na necessidade, parece que pecar não é tão prejudicial. Pode-se pensar que pecamos porque a situação não estava ao nosso favor, afinal não tínhamos outra saída. Não é assim que o diabo lança a idéia? Ele diz: pensa bem, você está precisando, está passando fome. Se você pegar este pacote de arroz você vai matar a sua fome. Comparado a você, tem gente que faz coisa pior!

Por isso querido, não podemos racionalizar as nossas necessidades, pois ela nos sobrevém a fim de nos fortalecer. Jesus podia racionalizar as suas necessidades naquele momento, mas ele decidiu espiritualizá-las.

5- Devemos resistir às tentações imediatamente.

Não vemos Jesus discutindo conceitos com o diabo em nenhum momento. Todas as investidas do inimigo foram rebatidas imediatamente com a Palavra e com os padrões de Deus. E isso serve de exemplo para nós hoje. Não podemos pagar pra ver, não podemos perder tempo com as tentativas do diabo, não podemos achar que somos SUPER CRENTES e que por isso estamos imunes a queda. Só estamos de pé porque o Espírito nos mantém assim. Jesus disse: sem mim nada poderão fazer!!

6- Aparentemente, o caminho do diabo sempre será o mais fácil e o de Deus o mais difícil.

A estratégia do diabo é nos oferecer poder, glória, riquezas, a fim de nos iludir. O plano dele é que os nossos padrões de vida seja os dele e não os de Deus. A intenção é fazer com que venhamos ter por bom, por riqueza, por vitória aquilo que ele dá, e não o que Deus nos dá. E nós sabemos que ele é o pai da mentira e que nele não existe nada bom e durável. Como diz um velho ditado: ele dá com uma mão e tira com a outra!

E com Deus é o oposto. Deus deseja que nos despojemos do sentimento de poder, que não busquemos a nossa glória e nos ensina que a prosperidade que Ele tem pra nós nem sempre é a prosperidade que nós conhecemos aqui na terra. Nossas definições para o que é bom são muito diferentes da definição do Senhor. Com Deus precisamos entender por paradoxico que o caminho para baixo na verdade é o caminho para o alto, que ser menor é ser maior, que o coração quebrantado é o coração curado, que o espírito contrito é o espírito alegre, que a alma arrependida é a alma vitoriosa, que não ter nada é possuir tudo, que levar a cruz é portar a coroa, que o vale é o lugar da visão.

E para finalizar, precisamos sempre nos lembrar que:

O diabo começa nos oferecendo a glória e termina nos condenando a morte.

Deus começa nos oferecendo a morte e termina nos presenteando com a Sua Glória!

Queridos que venhamos sempre crer que Deus sempre tem o melhor pra nós. Que venhamos crer que o melhor dele não é o melhor que nós conhecemos aqui.

Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam. 1 Cor 1:9

Deus nos abençoe, em nome de Jesus!

Com amor,

Natália.

Via: Ide por toda web

Palavras pelas quais vale a pena morrer

Hoje temos aqui no blog um post especial! Quem escreveu foi um amigo muito querido: o Dave – diretamente dos Estados Unidos! Ele é americano e está aprendendo português, mas mesmo assim ele fez questão de escrever o post todinho em português! Dave, ficamos muito tocados pelo seu esforço em escrever o post! Fizemos alguns ajustes, mas tentamos deixar da forma como você escreveu 😉

Muitas vezes ao longo da vida ouvimos palavras que nos acompanham pelo resto da vida. Essas palavras saem dos lábios de pessoas abençoadas e são repletas de sabedoria. Muitas vezes elas vêem de quem menos esperamos, porém são cheias da verdade de Deus.

Eu me lembro justamente de palavras ditas pela minha avó alguns anos antes de sua morte. Naquele dia ela me disse que sua sogra foi a pessoa que ela conheceu mais parecida com um anjo, ela amava a todos, conhecia muito bem a Bíblia, tinha vários versículos decorados, amava o próximo como ninguém, vivia sem orgulho e se sacrificando para obedecer Deus e Sua Palavra. Ela cria na salvação por meio da graça de Deus, e cultivava os frutos do Espírito Santo em seu coração e amava tanto o Senhor Jesus que só de alguém mencionar o nome do Senhor ela se emocionava.

Para continuar o post, há uma canção que me encanta muito chamada “Hallelujah what a saviour”, que é uma canção que fala dos pontos mais importantes do ministério de Cristo: o nascimento dEle, a vida sem pecado, a morte na cruz que pagou o preço da nossa redenção, o fato de que Cristo é Deus em forma humana e as boas novas de Sua volta, a verdade da ressurreição dos mortos e outras coisas. É o tipo de música que engrandece a glória de Deus! Com certeza, os corações dos cristãos se enchem da glória de Deus quando ouvem uma canção como essa.

Voltando a história da minha avó, ela me disse que nos últimos dias de vida de sua sogra, muitos familiares e amigos estavam presentes ao seu redor.

Como sabemos, normalmente quando as pessoas estão de cama em seus últimos dias, elas costumam estar muito doentes e por isso tomam medicações que servem para aliviar a sua dor, mas esse não foi o caso da sogra da minha avó.

Quando chegou o momento de sua viagem para o céu, ela olhou nos olhos dos membros da família e sorriu com paz e disse: “Que salvador!!!!!!!” antes de fechar os olhos e partir para os braços de Jesus. Foi um momento tão poderoso que quem estava presente não conseguiu se controlar e todos começaram a chorar. Todos sabiam bem que quando ela fechou os olhos sem dúvida alguma ela entrou na presença de Deus, sua vida valeu a pena! E sem dúvida esse testemunho alegra meu coração ao pensar o que  espera por nós cristãos no porvir.

Por Dave Bossenberger

Dossiê: EU – o céu e o inferno no banheiro

Há dias atrás, tive uma madrugada terrível. Minha casa não foi arrombada, nem tampouco pegou fogo. Acordei suando frio, com febre, fui ao banheiro sem a mínima necessidade, e sentado na privada fui assaltado por memórias um tanto terríveis. Sem entender aquilo tudo, simplesmente deixei aquele momento surtir o seu efeito. Memórias vergonhosas de todos os momentos em que não mostrei Cristo a quem um dia já me vira não só uma vez, mas repetidas vezes. Serviço sujo do diabo.

Em meio a um frio desgraçado debaixo dos meus pés, e as pupilas desconfortáveis com a luz do espelho, uma sessão de imagens de rostos que já vira na vida começou a passar pela minha mente aleatoriamente, sem eu fazer o mínimo esforço. É fato: existem alguns rostos que nossa memória guarda pro resto da vida, sem a gente pedir. E não falo de rostos dos nossos pais, nem dos nossos filhos. São rostos de pessoas que não temos intimidade, mas que vimos a vida inteira no nosso cotidiano, desde a senhorinha vendedora de pipoca da rua até o vendedor ambulante dos jogos de final de campeonato brasileiro.

Sentado ali, comecei a lembrar do tempo que corria maratona, e de uma mulher andarilha que sempre se fazia presente no meu trajeto. Maratonistas costumam repetir trajetórias quando correm na cidade, tanto quanto andarilhos, e assim foi também comigo: eu sempre passava por essa mulher. Muito magra, sem longos cabelos, sempre com um gorro fininho, e uma pequena sacola na mão que parecia não haver mais que miudezas ali dentro. Seu semblante era de um “tanto faz” irrevogável. Eu sempre passava por ela e pensava: “hoje vou diminuir o passo. Só caminhar ao seu lado quem sabe. Saber de onde vem, e para onde vai.” A memória do rosto dela parecia marretear o vidro que separa o olhar da minha mente do espaço físico do banheiro.

Além dela, lembrei de vários outros rostos que passavam por mim sempre nessa trajetória. Muitos deles, vendo minha dor física, sorriam para mim como se dissessem, “Vá em frente, não desista!” Ao longe, já desviavam de mim para que eu não precisasse desviar deles. O tempo passou, a vida mudou, hoje não corro mais, o bairro onde vivo não é mais aquele bairro. E eu jamais fiz nada daquilo que desejei ter feito com aquela mulher e com todas essas pessoas: parar para ouví-las e mostrar Jesus à elas. Nunca mais as vi… Sentado ali, no banheiro, cada rosto passou mais uma vez, lentamente, sorrindo, como num filme de 35mm em minha mente. E ali foi como se o diabo jogasse na minha cara o dossiê da minha própria indiferença.

Não consegui segurar as lágrimas e sem saber muito o que pensar, exclamei uma só oração: “Tem misericórida de mim Pai…” No exato instante, foi como se o próprio Deus intervisse: “Basta. Retira-te”. Depois disso, retornei ao quarto. A minha oração é que Deus possa ser o autor do dossiê das nossas vidas.Que nele haja fotos de todos aqueles que amamos. E que o diabo não tenha o mínimo direito no juízo final, de jogar na nossa cara os rostos que vimos a vida inteira, de gente que Ele amou, mas que nós nunca nos importamos de amá-las.

Caio Stolf

Via: Crentassos

O que é ser Cristão?

No final de semana que passou estava no pequeno grupo que faço parte e estávamos conversando sobre O QUE É SER CRISTÃO?

Acho que se levantarmos essa pergunta nas igrejas teremos várias respostas:
– Ir a igreja pelo menos uma vez por semana
– Ser batizado nas águas e com o Espírito Santo
– Orar pelo menos tantas vezes por dia
– Ler a Bíblia
( se você lembrar de mais alguma resposta a essa pergunta que você já ouviu por aí, pode deixar nos comentários 😉 )

Concordo que as atitudes citadas aí em cima são importantes, mas pelo que eu entendendo, elas não são o grande X da questão do cristianismo. Vou me explicar melhor…

Olhando o dicionário vemos o seguinte significado para CRISTÃO:

1. Que professa o cristianismo ou lhe é relativo.
s. m.
2. Aquele que professa a religião de Cristo.

Vendo essas definições, a que conclusão podemos chegar? Que cristão é aquele que é imitador de Cristo, como dizem por aí o cristão é um pequeno Cristo. Ou seja, o cristão deve imitar as atitudes de Cristo. E quais eram essas atitudes?

Acho que podemos definir em uma palavra o que Cristo essas atitudes: AMAR, Ele amava, amava e amava. Ele via o que as pessoas tinham de melhor, Ele não julgava ou reprimia, o máximo que Ele fazia era dar conselhos.

As únicas passagens que vemos Jesus fazendo algo diferente disso são as que os fariseus são citados, pois como o próprio Jesus disse eles eram hipócritas, se achavam melhores do que todos, digo até que se achavam semi-deuses (hmmm, será que hoje em dia a gente vê isso por aí?! rs).

Mas voltando ao assunto do AMOR, em João 13:34 temos a definição de como devemos amar:

“Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros.”

Você já parou pra pensar o que é “como vos amei”? Jesus se entregou na cruz em nosso lugar, se entregou pelos nossos pecados, conhecia todos eles, sabia tudo o que a humanidade seria capaz de fazer e mesmo assim se entregou, não julgou ninguém, mas se entregou para que pudéssemos ser livres e termos livre acesso a Deus. E além de tudo isso nos deu a opção de aceitá-Lo ou não.

Será que no nosso dia a dia temos amado dessa forma? Será que temos se quer amado?

Por hoje vou ficando por aqui, mas amanhã vou continuar o tema!

Fiquem com Deus

Júlia

%d blogueiros gostam disto: